Cada dia mais, o país vive um momento de fortalecimento de ações contra crimes e corrupção. Prova disso é o cenário político que, mesmo com um novo governo, ainda é permeado por notícias de esquemas de corrupção e crimes financeiros. Esse cenário fortalece a necessidade de uma estrutura efetiva e robusta de Compliance dentro das organizações.

O termo designa o conjunto de disciplinas para fazer cumprir as normas legais e regulamentares, as políticas e diretrizes internas e detectar e evitar qualquer tipo de inconformidade que possa ocorrer dentro de uma empresa. A área de Compliance passa a ser, muitas vezes, o grande fiscalizador de ações, tendo como prerrogativa o rígido cumprimento de todas as leis e normas aplicáveis.

Assim como a sociedade, o Compliance também é um fruto do seu tempo e é guiado por tendências e pontos de atenção a cada momento. Abaixo, listamos algumas tendências no setor de Compliance que devem pautar as empresas em 2019:

  1. Segurança de informações e privacidade de dados

Numa sociedade cada vez mais virtual, ter clareza quanto ao manejo de dados e informações é fundamental. A lei 13.709/18, conhecida como Lei Geral de Proteção de Dados, trouxe regras de consentimento, obrigações na proteção de dados, diretrizes para segurança de informação e reporte de incidentes, além de sanções que organizações podem sofrer. Ações de conscientização sobre essa lei dentro das empresas será de grande importância para evitar problemas futuros, já que a lei passa a vigorar em fevereiro de 2020.

  1. Respeito à diversidade e combate ao assédio

Garantir um ambiente de trabalho saudável e respeitoso é cada vez mais uma tarefa integrada, que une as áreas de RH e de Compliance. Com o aumento de denúncias de assédio moral nos últimos anos e o empoderamento e conscientização dos colaboradores, a área de Compliance deve se cercar de informações para tratar os casos de forma única, assim como tornar as regras de convivência e o código de ética da empresa mais claro. Não bastam mais ações pontuais de comunicação ou simples treinamentos: as ações devem ser efetivas e recorrentes na promoção de um ambiente seguro e diverso.

  1. Amadurecimento de processos

Como tendência relativamente nova, o tema Compliance passa por uma fase de maturidade em 2019. Muitas das primeiras iniciativas de fiscalização, como a Empresa Pró-Ética e a certificação ISO 37.001, de gestão anti-suborno, estão completando seus primeiros 5 anos. Traçar um panorama da implantação dessas ações, bem como preparar a cultura organizacional para possíveis mudanças é um dos desafios do setor.

  1. Ampliação de tecnologias

Treinamentos e-learning e uso de analytics em auditorias já são uma realidade e devem evoluir ainda mais neste ano. No Brasil, o uso de algoritmos e soluções automatizadas nos controles internos é uma prática em evolução, e o RPA (Robotic Process Automation) deve crescer com o aquecimento da economia e a sofisticação do setor de Compliance no país. Além disso, a automatização de processos deve garantir uma entrada maior de sistemas de gerenciamento de dados dentro da área.